Selecionando babás Parte 1

Dificuldade no mercado para encontrar pessoas que saibam lidar com os nossos pequenos todos já sabem. Eu já recorri a quase todas as agências de São Paulo, a Santo e reza brava, aos sonhos, a mapa astral, só ainda não fui em sessão de descarrego, to quase viu?

Como uma mãe de uma filha especial pode pensar em ter mais filhos se nem sequer uma babá consegue ficar mais de 1 ano? Com a experiência que adquiri esses anos todos  selecionando babás, achei legal postar aqui umas dicas.

 

Selecionando currículos

Em agências, o currículo já vem pronto, aí é só observar os detalhes. Se tiver entrevistando alguém que lhe foi indicado, além de fazer as perguntas abaixo sugiro checar sempre referências. Tenha em mente que existe a possibilidade de se dar uma refência falsa. Dê preferência para telefones fixos e cheque endereços.

By the way: se a referência for muito boa, vale desconfiar, afinal, ninguém é perfeito.

Começando uma entrevista

Aprovado o currículo, passamos para o cara-a-cara. Bom, nem preciso dizer, mas ai vai:

1 – Checar: unha comprida, esmalte, perfume , cabelo oleoso ou muito comprido, brincos, colares e relógios. Se tiver algum desses já avisar que no trabalho não pode usar nenhum! Ah! Celular! Falar o mínimo possível apenas se necessário e não andar com o celular a tira-colo!

2 – Pedir documentos

 

Perguntas na entrevista

1- idade

2- estado civil (se é casada sempre pergunto quanto tempo e o que o marido faz; se é solteira pergunto se tem filhos e quantos e cade o pai)

3- onde mora (se mora de aluguel ou tem casa própria) e com quem mora (já imendo quanto tempo levaria para chegar até minha casa)

4 – experiência (contar um pouco da experiência como babá: antigos empregos, quanto tempo ficou, quanto tempo está desempregada, quantas crianças cuidou e com que idades, por que saiu do trabalho, se tem cursos, etc etc)

Dica: peça detalhes das casas trabalhadas como rotina, quantas pessoas também trabalhavam na casa, onde era a casa, quantas babás tinham, quantos filhos, nome das crianças que cuidava

5 – Olho sempre a carteira para tirar dúvidas de contratos, salários e tempo de permenência em antigos empregadores

6 – Peço para relatar a rotina na última casa trabalhada, como também horário de entrada e saída e folgas

7- Gosto sempre de saber se a pessoa tem dívida em banco e qual valor

Depois de saber as principais informações da candidata é a hora de falar de mim

Explicando o trabalho

Na primeira entrevista falo o mínimo necessário sobre a rotina da casa e da minha filha, informações importantes que evitem a cidadã de largar o emprego e me deixar na mão (nem sempre funciona). Lembre-se essa é a parte mais importante afinal, o que for acordado na entrevista não pode ser mudado depois!

1 – Informações básicas como: quantidade de pessoas que moram na casa, que trabalham na casa, quantidade de babás e turnos

2 – Quem é a patroa: fale um pouco de você

Gosto sempre de deixar claro que sou exigente, maníaca por limpeza, super organizada e que minha filha segue rigorosamente uma rotina pré-estabelecida (exagero? um pouco, mas depois não podem falar que não foram avisadas). Aqui também falo que todas as babás tomam banho na minha casa antes de começar a trabalhar e o uniforme deve estar sempre impecável

3 – Sobre a criança: temperamento, facilidades e dificuldades no cuidado (ex. não gosta de tomar banho, dorme muito, nunca pede água)  e manias da criança (dorme com chupeta, não gosta de tv, etc etc)

4 – Salários no último emprego. Pretensão salarial e quanto ofereço para a vaga.

Agora é a hora de falar de horário de trabalho, folgas, férias, se a babá tem que viajar. Lembre-se que se você falar “preciso de você esporadicamente nos finais de semana”, a candidata entenderá que precisará trabalhar 2 vezes ao ano e você quis dizer 2 finais de semana por mês. Seja clara! Se não der para ser precisa aumente! Se precisar de 2 vezes ao mês, fale 3!

 

Intuição

Esse papo pode parecer meio idealista, mas a verdade é que a primeira impressão é a que fica. Se a primeira vista, você já achou a fulana com falta de higiene, sem paciência, superficial, confie em você e perceba que com o tempo as características só vão se destacar. Se você ainda não confia o bastante em você, faça um mês de teste e veja como seu baby se comporta. Se a criança não gosta, você logo percebe! Tenha atenção e paciência porque conforme a criança for crescendo, fica mais difícil fazer amizades com novas babás!

 

Dia de teste

Gosto sempre de uns 2 dias de teste. Nesses dias explico detalhadamente a rotina da casa e a babá fica apenas observando. Só chega perto da minha filha para brincar, ai já vou observando como a criança fica com a nova pessoa por perto. Se os dois dias não foram o suficiente, sempre temos a opção de colocar no contrato de trabalho 3 meses de experiência!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>